Estudo Português sobre a Qualidade de Vida do Cuidador Informal da Pessoa com Doença Oncológica 724 1024 Melanoma Portugal

Estudo Português sobre a Qualidade de Vida do Cuidador Informal da Pessoa com Doença Oncológica

Quer a doença oncológica, quer o seu tratamento implicam mudanças significativas na vida da pessoa que recebe este diagnóstico. Assim, ao lado de uma pessoa doente, além dos profissionais de saúde, existem muitas vezes cuidadores informais. Estes últimos dão apoio logístico, instrumental e emocional de forma consistente durante a vivência da doença, tentando assegurar o bem-estar da pessoa doente. Contudo, assumir o papel de cuidador informal pode afetar a sua própria qualidade de vida. A cada ano, o número de diagnósticos de cancro em Portugal tende a crescer 3%, pelo que se estima que futuramente mais pessoas venham a tornar-se cuidadoras informais. Consequentemente, conhecer o que influencia a qualidade de vida dos cuidadores informais de pessoas com doença oncológica torna-se pertinente.

Em 2020, a investigadora Carol Ochoa e suas colaboradoras analisaram vários estudos estadunidenses sobre a qualidade de vida do cuidador informal da pessoa com doença oncológica. As autoras perceberam que a qualidade de vida de quem assume este papel é baixa independentemente do tipo de doença oncológica da pessoa doente ou do estádio da patologia. Os cuidadores informais exibem níveis elevados de ansiedade e depressão, além de fadiga física. Outra descoberta desta investigação sugere que o tipo de relação entre o cuidador e a pessoa cuidada tem impacto na qualidade de vida do cuidador informal. Aqueles que cuidam de pais e avós parecem duvidar da qualidade dos cuidados que prestam com maior frequência.

Uma vez que a forma como vivemos uma doença se encontra ligada ao nosso contexto sociocultural, Carolina Blom, psicóloga e estudante do Programa Doutoral em Psicologia da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto está a investigar que fatores influenciam a qualidade de vida dos cuidadores informais portugueses de pessoas com doença oncológica. Conhecer esta realidade pode permitir um apoio mais adequado e específico às necessidades dos cuidadores informais.

Se é cuidador(a) informal de uma pessoa adulta com doença oncológica ou conhece alguém que o seja e queira contribuir para este projeto responda ou partilhe o seguinte questionário online através do link:

https://psicologia.fra1.qualtrics.com/…/SV_b4nbg1UVWnDhqM6

As suas respostas são anónimas e confidenciais e um importante contributo para a atuação de profissionais de saúde e do setor social junto de cuidadores informais de pessoas com cancro e para a Psicologia.

 

Referência: Ochoa, C. Y., Buchanan Lunsford, N., & Lee Smith, J. (2020). Impact of informal cancer caregiving across the cancer experience: A systematic literature review of quality of life. Palliative & supportive care, 18(2), 220–240. https://doi.org/10.1017/S1478951519000622

PREFERÊNCIAS DE PRIVACIDADE
Quando visita o nosso website, poderão ser armazenadas informações através do seu browser a partir de serviços específicos, geralmente sob a forma de cookies. Aqui pode alterar as suas Preferências de Privacidade. O bloqueio de alguns tipos de cookies poderá ter impacto na sua experiência no nosso website e nos serviços que somos capazes de oferecer.

Clique para activar/desactivar o código de rastreio do Google Analytics.
Clique para activar/desactivar o Google Fonts.
Clicar para activar/desactivar o Google Maps.
Clicar para activar/desactivar a incorporação de vídeos.
O nosso website utiliza cookies, principalmente de serviços de terceiros. Defina as suas Preferências de Privacidade e/ou concorde com a nossa utilização de cookies.